Quem era Samuel Paty, o professor decapitado na França ao ensinar a liberdade de expressão

Ele foi morto após mostrar caricatura de Maomé em uma aula; alunos, pais, colegas e amigos o descreveram como um homem gentil, apaixonado pela profissão.

           

https://www.facebook.com/g1/posts/4526722190713164

~* Ontem em Paris, um professor de História estava ministrando a aula numa classe, e disse que quem fosse mulçumano poderia sair de sala porque ele precisava falar sobre algo que marcou o país, mas eles poderiam sair devido o que eles (mulçumanos) acreditam, defendem.
Os alunos continuaram em sala e já prepararam os telefones pra filmar o professor, pra jogar nas redes, claro.
O professor falou sobre o Atentado Terrorista em Paris em 2015.
Pra quem não lembra, foi aquele atentado que pessoas no mundo todo trocaram suas fotos de perfil pela bandeira francesa em homenagem as vitimas do atentado.

Alunos mulçumanos enviaram aos pais.

Na saída da escola, ás 17hs, um aluno atacou o professor e tirou a cabeça dele com uma faca de cozinha.
Claro, ele morreu também, porque esse é o fim de terrorista.

Os pais dos alunos e os demais mulçumanos comemoraram a atitude do aluno que tirou a cabeça do professor, dizem que ele é motivode orgulho.

Uma estudante disse que ficou chocada com a aula do professor. Sendo que ele disse que podiam se retirar, que era algo que ele precisava dizer porque se tratava em algo da História da França.

Chocadas?? As mesmas que se dizem chocadas estão fazendo coisas no Tik Tok, Instagram e sites por aí que até o deus delas duvida.

Religião, doutrina, tradição cegam e são câncer na humanidade.


Não concordo que tenham matado ele, mas penso como é contraditória essa sociedade que fala de liberdade de expressão ao mesmo tempo que é contra bullying. Quer dizer que pode ofender uma religião, mas se alguém sofrer discriminação por causa da mesma devido sua figura sacra central ser ridicularizada tal como faz o porta dos fundos com a imagem de Cristo é algo aceitável? É a partir daí que se vê uma tremenda hipocrisia e falta de bom senso. De um lado pessoas que não sabem lidar com suas emoções acabando por cometer atrocidades e do outro pessoas que buscam provocar essas primeiras usando o discurso muito conveniente da "liberdade de expressão" onde é permitido falar de tudo desde que ninguém faça isso com nada que represente a "modernidade" ou ideologias que são aceitas pelos mesmos. Se existe liberdade de expressão a tolerância uma hora acaba, a falta de respeito some e o fim será a barbárie. Por isso essas coisas acabam sempre acontecendo e não é só quando se trata de religião como também política, esportes e sexo.


+