Pediatra pode ter sido morto por alertar família sobre suposto abuso sexual contra criança atendida por ele

Médico foi morto dentro da clínica em que trabalhava

           

https://www.facebook.com/g1/posts/5663668933685145

Eu era professora em uma creche, percebi que um aluno meu estava sofrendo fortes agressões, de ter várias marcas roxas pelo corpo. Fui avisar a direção e comunicar a mãe, pois até então o padrasto sempre chegava batendo na criança na escola, se era ele eu não sei, mas só comuniquei o que estava acontecendo. Até pra direção chamar o conselho tutelar.
Eu tentando fazer o correto, no dia seguinte a mãe disse que eu estava de perseguição com a família dela e que o padrasto (namorado) dela conhecia certas pessoas que podiam me dar um "jeitinho".
O pior de tudo, é que a própria escola não fez nada para proteger o aluno e não quis se envolver no caso. Achei um desrespeito com os profissionais, as crianças e claro com a própria profissão dela/nossa. O dever é cuidar de nossas crianças independente de qualquer coisa. Aprendi que mesmo que você tente fazer o correto, dá forma correta, podemos ter sérios problemas infelizmente. E sei que se um dia acontecer novamente, q Deus nos livre, será tudo por denúncia Anônima.. Pois quem tenta ajudar dando cara a tapa, sempre se lasca. Triste realidade.


Nós, como profissionais de saúde, estamos alheios a tudo e a todos. E os tempos não são favoráveis. A população está com uma visão negativa em relação aos médicos, que beira o irracional. Há que se falar da má medicina, mas quando o senso comum é colocado em prática, ocorrem mais injustiças que justiças. Uma pena esse pediatra ter tido esse fim. Faz parte do nosso dia dia, atender suspeitas de abusos a crianças. O procedimento é: acionar o serviço social do hospital (o que complica quando se fala em clínicas ou estabelecimentos privados), conselho tutelar e orientar a pessoa que suspeita do abuso ir a uma delegacia registrar B.O. Cabe a nós, pediatras, atender para verificar lesões agudas passíveis de tratamento, verificar se o abuso foi agudo para fazer as profilaxias contra dsts e gravidez e, claro, caso haja dúvida e que o abuso vá recorrer, internar essa criança ou encaminhá-la para tal


Gente, mas que absurdo!! Nossas crianças estão a deriva e qdo algumas boas almas resolvem lutar para protege-las, vem um psicopata desenfreado e as matam , ali, na cara de todo mundo , inclusive de uma criança...meu Deus, compaixão p nossas crianças e proteção para homens de boa fé . Sabem a causa de tudo isso? A certeza da impunidade. Leis frouxas. Bandidos ja entenderam o esquema. Pegam alguns anos, mas sequer ficam 2 na prisão. Sem falar das regalias com visitas, comidinhas e saidinhas. Quem se importa !? Se até faculdade pode se fazer ! Hoje, para esses criminosos ,ficou fácil e vantajoso matar . Cama, comida , laser , estudos, saídas...tudo gratuito, o que mais podem querer ? A vida é uma festa!!



Infelizmente o pediatra foi inocente demais ao fazer o alerta: a maioria dos abusos sexuais contra crianças e adolescentes são praticados por parentes da vítima (pode ser pai ou mãe, irmão ou irmã, avô ou avó, tio ou tia, primo ou prima etc) e eventualmente por alguém de fora próximo da família de algum modo (vizinho ou vizinha, professor ou professora, padre ou madre, frade ou freira, amigo ou amiga da família, colega de escola ou clube etc). Infelizmente é provável que ele tenha alertado à própria pessoa que abusa da criança ou a alguém que alertou o(a) real pedófilo(a) sem perceber o erro que estava cometendo. Deveria ter avisado à direção do hospital e requisitado força policial, e não, sinalizar à própria família sem a devida proteção para isso. Semelhantemente o irmão dele é inocente embora seja compreensível a dificuldade dele entender por quê e como a bondade do irmão o levou à morte. Ele só tentou ajudar à criança e à família. Infelizmente alertou os algozes sobre a percepção do crime.


+