9 Comentários

~* Ontem em Paris, um professor de História estava ministrando a aula numa classe, e disse que quem fosse mulçumano poderia sair de sala porque ele precisava falar sobre algo que marcou o país, mas eles poderiam sair devido o que eles (mulçumanos) acreditam, defendem.
Os alunos continuaram em sala e já prepararam os telefones pra filmar o professor, pra jogar nas redes, claro.
O professor falou sobre o Atentado Terrorista em Paris em 2015.
Pra quem não lembra, foi aquele atentado que pessoas no mundo todo trocaram suas fotos de perfil pela bandeira francesa em homenagem as vitimas do atentado.

Alunos mulçumanos enviaram aos pais.

Na saída da escola, ás 17hs, um aluno atacou o professor e tirou a cabeça dele com uma faca de cozinha.
Claro, ele morreu também, porque esse é o fim de terrorista.

Os pais dos alunos e os demais mulçumanos comemoraram a atitude do aluno que tirou a cabeça do professor, dizem que ele é motivode orgulho.

Uma estudante disse que ficou chocada com a aula do professor. Sendo que ele disse que podiam se retirar, que era algo que ele precisava dizer porque se tratava em algo da História da França.

Chocadas?? As mesmas que se dizem chocadas estão fazendo coisas no Tik Tok, Instagram e sites por aí que até o deus delas duvida.

Religião, doutrina, tradição cegam e são câncer na humanidade.


Link: http://www.vin3.org/index.php?c=article&cod=120007&lang=PT#vin3Comment-548565
----------------------

Não concordo que tenham matado ele, mas penso como é contraditória essa sociedade que fala de liberdade de expressão ao mesmo tempo que é contra bullying. Quer dizer que pode ofender uma religião, mas se alguém sofrer discriminação por causa da mesma devido sua figura sacra central ser ridicularizada tal como faz o porta dos fundos com a imagem de Cristo é algo aceitável? É a partir daí que se vê uma tremenda hipocrisia e falta de bom senso. De um lado pessoas que não sabem lidar com suas emoções acabando por cometer atrocidades e do outro pessoas que buscam provocar essas primeiras usando o discurso muito conveniente da "liberdade de expressão" onde é permitido falar de tudo desde que ninguém faça isso com nada que represente a "modernidade" ou ideologias que são aceitas pelos mesmos. Se existe liberdade de expressão a tolerância uma hora acaba, a falta de respeito some e o fim será a barbárie. Por isso essas coisas acabam sempre acontecendo e não é só quando se trata de religião como também política, esportes e sexo.

Link: http://www.vin3.org/index.php?c=article&cod=120007&lang=PT#vin3Comment-548563
----------------------

O alcorão (livro sagrado do islã) é algo muito lindo de se ler. É tão justo e incrível, muito mais incrível até que a Bíblia em questão de sabedoria e coerência, porém o defeito dela é que tem uma escrita muitíssimo mais complicada que o livro sagrado dos cristãos. Se os cristãos já interpretam a Bíblia de forma errada, imagina os mulçumanos com o Alcorão?

A forma como Maomé escolheu pra propagar o islã não foi certa (invadia cidades e quem quiser viver teria de adorar ao deus deles), até o budismo que pra mim é a melhor tem um passado obscuro. Porém, o Alcorão dava bastante liberdade, me arrisco a dizer que dava mais liberdade até que o cristianismo. Mesmo para mulheres, de certa forma.

Porém, quando ele morreu o seu sucessor acabou interpretando errado e alterando muitas coisas do alcorão pra controlar as pessoas, pois ele como pessoa era alguém muito frio, ja desde antes do islã surgir.

Um judeu e um ateu me ensinaram isso. Eles me ensinaram que se o problema fosse as religiões, estaria tudo bem. Mas existem milhares de deuses pelo mundo, cada um com uma ideologia diferente do outro. O problema é o ser humano.

Se disserem pra algum apenas que devem respeitar o próximo, o ser humano ainda vai dar um jeito de distorcer em seu favor. Mesmo algo tão simples.


Link: http://www.vin3.org/index.php?c=article&cod=120007&lang=PT#vin3Comment-548557
----------------------

O que eu queria entender é essa dificuldade em respeitar as escolhas de uma cultura diferente da que se vive.

São culturas diferentes. Leis diferentes. Crenças diferentes.

Criticar uma religião so pq vc não a segue ou não aceita a forma como ela conduz seus seguidores, não fará ela ser extinta. Pq ela está ai há muito tempo antes de quem a critica.

E tbm nao entendo essa coceira no ânus de sempre falar o rabo dos outros, como se o próprio fosse melhor.

Esse jornal ja sofreu represálias por provocar a religião alheia, mas segue "peitando". Esses são os resultados que eles tanto incentivam ao usar a figura de Maomé da forma como usam.


Link: http://www.vin3.org/index.php?c=article&cod=120007&lang=PT#vin3Comment-548564
----------------------

A liberdade de expressão deve ser para todos que prezam os valores que permitem que ela exista. Aqueles que querem calar os que são diferentes ou impor suas crenças não podem ser acolhidos, sob pena de termos intolerantes achando que podem cortar a cabeça dos outros. Pode-se viver sem amor, mas não sem respeito e os radicais não entendem nada sobre respeito. Em uma sala de aula laica o professor deve poder expor qualquer coisa, desde que seja contextualizado, discutido e adequado à faixa etária. A França está pagando o preço de aceitar bárbaros para conviver com gente civilizada, que nessa encarnação não vai entender o significado de viver com as diferenças.

Link: http://www.vin3.org/index.php?c=article&cod=120007&lang=PT#vin3Comment-548556
----------------------

Jihad (guerra santa ou luta islâmica) contra os ""infiéis"" e afirmando que ""matá-los é uma obrigação de todos aqueles que seguem o Alcorão"", assegurando assim um lugar no ""paraíso""
Definir o termo ""infiel"" usado pelos muçulmanos é importante já que milhares de cristãos no mundo são perseguidos pela ""infidelidade"" ao deus do islamismo. O número de países que rejeitam o cristianismo e hostilizam aqueles que se decidem por Cristo é cada vez maior, bem como o nível de violência que a igreja enfrenta. Atualmente, 50 países que compõem a Lista Mundial da Perseguição, mas há outras nações que já apresentam casos de cristãos sendo presos por causa da fé e até sendo torturados e mortos pelo nome de Cristo.


Link: http://www.vin3.org/index.php?c=article&cod=120007&lang=PT#vin3Comment-548562
----------------------

Lendo aqui os comentários sobre o professor ter desrespeitado a fé alheia e pensando o que dizer sobre a religião que se mete onde não cabe a ela, julga, aponta, oprime, criminaliza, inclusive quem não a segue... e mata? Deveria ter punição por isso, justiça bárbara pelas próprias mãos, atentados contra essa gente? Penso que o "brincar" com a crença alheia é algo dispensável, mas, chegarmos ao tempo de banalizar que isso possa motivar alguém a matar é bizarro. Até porque, teoricamente, foge a todos os ensinamentos das mais diferentes crenças que conheço. Isso é coisa de radical. Tão radical quanto a forma como a religião continua a ser usada mundo afora e no Brasil.

Link: http://www.vin3.org/index.php?c=article&cod=120007&lang=PT#vin3Comment-548560
----------------------

Pena q ele tenha pago pelo seu ato com a vida. Nada justifica tamanha brutalidade...
No entanto as pessoas tem q pensar que antes da liberdade de expressão devem se respeitar todas as culturas e religiões...
Queria ver se fosse uma caricatura de um negro e ele sugerisse que os negros saíssem de sala, ou se fosse de uma mulher e sugerisse que as feministas saíssem de sala, ou se fosse contra um homossexual e sugerisse q eles saíssem de sala.... se fosse uma das classes protegidas pelo progressismo seria um escândalo... mas foi com uma cultura radical e a consequência foi inimaginável...
Moral da estória, o respeito ao próximo independente de classe, raça, religião ou cultura vem na frente da liberdade de expressão...


Link: http://www.vin3.org/index.php?c=article&cod=120007&lang=PT#vin3Comment-548558
----------------------

O professor era um alienado, pq levar uma charge satirizando Maomé pra querer exemplificar as liberdades que um dia pred
ominavam na França, e que hoje são claramente ofuscadas pelos costumes estrangeiros oriundos de um intenso radicalismo... Na boa, o cara praticamente buscou aporrinhação. Escola de distrito industrial, normalmente frequentada por alunos de baixa renda, normalmente revoltados com alguma coisa e por imigrantes, que teimam em tentar moldar o país que os acolheu para ficar parecido com o que os expulsou... Há muito que a França pede por esse tipo de problema. É muito humano aceitar refugiados, imigrantes e fugitivos não criminosos... Mas eles tem que submeter a realidade do país que os hospeda. Agora a França vive um descontrole étnico-religioso, o presidente deles é um bundão e franceses inocentes morrem de maneira absurda apenas por querer viver sem as amarras que os extremistas colocaram. A liberdade acabou por lá. Agora, o cara que zomba da religião alheia não faz isso pra demonstrar liberdade de algum tipo. Ele faz isso pq é um sem noção. Existem N modos de demonstrar liberdade e tolerância e definitivamente, fazer charge com a religião dos outros é o modo mais idiota e burro que existe. Pagou o preço e que venha o próximo por lá, pq o muçulmano não é tranquilinho que nem o católico. Vê se algum palhaço comediante brasileiro zoa a galera do turbante? Os caras não são burros que nem esse professor. Lamentável tudo isso. E só está começando.


Link: http://www.vin3.org/index.php?c=article&cod=120007&lang=PT#vin3Comment-548561
----------------------